Translate

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O LIVRO DOS MORTOS DE ITAPIRA


Cemitério Municipal de Itapira atualmente....



Quando fiz a matéria sobre a Revolução de 1932, colhendo os nomes de soldados que foram enterrados no Cemitério Municipal, deparei com muita coisa interessante sobre os falecimentos em nossa cidade. Parece mórbido, mas é uma realidade de qualquer comunidade. Nós, os cultuamos, erguemos lápides, mausoléus, prestamos o último adeus em cerimônias bastante parecidas. A dor da perca é que pode ser maior ou menor. Minha pesquisa se coloca num período de 15 anos, entre 1923 e 1938, que nos leva a conhecer o que ceifou mais a vida dos itapirenses, nativos ou não. Os nomes das famílias que já vivam aqui e, outras curiosidades. Os livros vieram do Cemitério como empréstimo para consulta e estão em muito bom estado de leitura. Por outro lado, também pesquisei sobre o que matou mais pessoas em nosso Estado naquele começo do século XX e, não foi diferente em nosso chão.
As condições de higiene, o poder aquisitivo, a falta de informações.... muitos vetores contribuíam para que nossos parentes perecessem de males que hoje são perfeitamente curáveis ou passíveis de controle.
Falando em cerimônias, João do Norte menciona em uma das crônicas: " ...que o cortejo seguia pelas ruas do centro, atingindo o Morituris, sendo que durante o trajeto, a Matriz fazia badalar o sino, emprestando à cerimônia, o respeito que todos deviam ao morto. A Banda Lira ia executando marchas fúnebres em honra ao falecido...".



Itapira em 1920





Quadra de Tênis, junto ao Parque Municipal em 1934.



Naquele começo de século, o Estado de São Paulo, enfrentava várias moléstias, que exigiram das autoridades sanitárias um esforço hercúleo para entendê-las e debelá-las. Já, em 1892 é criado o Instituto Bacteriológico, pelas mãos de Adolfo Lutz e, em 1931, o Governo cria o Instituto Butantan, ambos destinados as pesquisas bacteriológicas. Naquele momento o Diretor da Saúde Pública, Emilio Ribas, faz diversas campanhas sanitaristas no interior do Estado de São Paulo contra a Febre Amarela. Os cientistas Artur Neiva, Adolfo Lutz e Vital Brasil vinham desenvolvendo pesquisas nas áreas de bacteriologia e microbiologia. Em 1916, com a chegada da Fundação Rockefeller(Americana), São Paulo ganha um grande impulso na pesquisa,tratamento e profilaxia contra as epidemias que assolavam a gente paulista. A implementação de programas e políticas, vão ocorrer nos governos de Altino Arantes (1916-20), Washington Luís (1920-24), Carlos de Campos (1924-27) e Júlio Prestes (1927-30) apoiaram integralmente as ações do Serviço Sanitário nas áreas rurais e urbanas do estado. Artur Neiva, Paula Souza e Francisco Sales Gomes Jr. — este último, médico hansenólogo e antigo diretor da Inspetoria de Profilaxia de Moléstias Infecciosas, são nomes bastante lembrados pelas suas atuações no Estado. A imagem de alguns cientistas foram gravadas no dinheiro que o Brasil usou, como reconhecimento pelos seus esforços e vitórias.




Carlos Justiniano Ribeiro Chagas (Oliveira, 9 de julho de 1878 — Rio de Janeiro, 8 de novembro de 1934) foi um médico sanitarista, cientista e bacteriologista brasileiro, que trabalhou como clínico e pesquisador




Oswaldo Gonçalves Cruz (São Luiz do Paraitinga, 5 de agosto de 1872 — Petrópolis, 11 de fevereiro de 1917) foi um cientista, médico, bacteriologista, epidemiologista e sanitarista brasileiro



Vital Brazil Mineiro da Campanha[1] (Campanha[2], 28 de abril de 1865 — Rio de Janeiro, 8 de maio de 1950) foi um importante médico imunologista e pesquisador biomédico brasileiro, de renome internacional.




Em Itapira, as doenças eram as mesmas, sem falar das tragédias. Folheando os livros do Morituris, deparei com as doenças/acontecimentos que mais ceifaram as vidas de nossos conterrâneos. A seguir vou enumerando:

1- COLAPSO
2- CÓLERA
3- FEBRE
4- VOLVULOS
5- CACHEXIA
6- PALUDISMO
7- SENILIDADE
8- SUICIDIO



Em 1923, procurei separar por nome de doenças/causas, por idade e por gênero. Nesse ano, faleceram 25 mulheres e 33 homens. Lembro que, são aqueles que foram sepultados no Morituris.

As idades registradas vão dos 11 até 115 anos de vida. Quase 40% abaixo dos 30 anos de idade , e 16 pessoas nesse mesmo ano, levadas ao cemitério, tinham mais de 100 anos, ou seja, 28%. Seria, se fosse hoje, quase 20 mil idosos. Comparando.


ACIDENTE
AFOGAMENTO
ANEURISMA
ANTRAX
APOPLEXIA
ARTEREO ESCLEROSE
ASFIXIA
CACHEXIA
CANCER
COLERA
COLERINA
ECLÂMPSIA
ENFORCAMENTO
ENVENENAMENTO POR VIBORA
ESMAGAMENTO
FAISCA ELETRICA
FEBRE
GRIPE
HOMICIDIO
INANIÇÃO
INANIÇÃO POR VOMITOS
INTOXICAÇÃO POR CREOLINA
LESÃO MITRAL
LOUCURA
MAL DE PARKINSON
MAL DE BRIGHT
MALÁRIA
MARASMO
PARTO
PNEUMONIA
QUEIMADURAS GENERALIZADAS
SENILIDADE
SUICIDIO
TIFO



João Torrecillas, nas crônicas, pontua a preocupação da cidade com as epidemias: Um surto de diarréia aguda, foi evitada com a criação de uma milícia protegendo as fronteiras da cidade. Usando armas de fogo, impediam a entrada de vendedores de melancias. A biquinha da Estação, foi fechada, contra a vontade da população, mas a água estava contaminada com o vibrião do Cólera. Outra doença, que provocava febre alta, espasmos e a morte, contagiosa, foi impedida pelos soldados da cidade, que tinham autorização para atirar em quem desejasse entrar na casa de um enfermo assim.

Não que aquelas doenças foram erradicadas, mas hoje, há uma grande preocupação com higiene pessoal e do meio ambiente, como dos alimentos e bebidas, além dos tratamentos muito eficientes.

Separei também nomes que são diferentes dos demais: o sobrenome "de Jesus", participa de quase a metade dos mortos no periodo de 1923 à 1938. Aqui vão outros: Enispero Riberti, Pasquella Netta Crico, Eyrila Garcia Peres de Souza, Solidia Mancini, Delek Miato, Felicissima Alves, Romana de Souza, Eribéia Riberti, Maria Espingarda Capra, Justa Fernandes, Amério Pery Indio do Brasil, Felicidade Esteves Rodrigues Fernandes, Joana Casseta Franco, Elveria Mega Sanseverina, Electra Roni e Rita Preta. Claro que, a pessoa que escreveu os dados no livro, pode ter se equivocado e entendido dessa forma.


Aqui está uma relação com nomes de famílias itapirenses ou aquelas que migraram para cá, mostrando a quanto tempo a família está em Itapira. Fui colocando os sobrenomes que conheci e, talvez ainda hoje,muitos de seus descendentes vivam nas terras penhenses:
FAMILIARES ENTERRADOS ANO
BIA BOSO 1923
JOSE PEREIRA DA SILVA 1923
BENEDITA DE SOUZA NOGUEIRA 1923
REGINA SAMOGINI 1923
ALBERTO VIEIRA 1923
SEBASTIÃO PUPO 1923
SALVADOR RIZOLLA 1923
JOSE HENRIQUE DE ALVARENGA 1923
JOAO ALVES DE FREITAS 1923
FRANCISCA ANDRADE 1923
AURELIO MENIGUINI 1923
LUIZ GOLFETO 1923
ANTONIO TREVELLIN 1923
LUIZ PASCHOALIN 1923
MANOEL AUGUSTO DE ORNELLAS 1924
JACOB BOLOGNA 1924
AUGUSTO NICOLAI 1924
ALBINA VENTURINI BONATELLI 1924
CHRISTINA DA SILVEIRA CINTRA 1924
CAROLINA FERNANDES DA ROCHA 1924
JOÃO ERNESTO DE MAGALHÃES 1924
LUIZ MOZZAQUATRO 1924
ANTONIO MORO 1924
CELESTE SECCHO MOMESSO 1924
JOÃO BAPTISTA SABADINI 1924
JOÃO RAMONDA 1924
DOMINGOS CAIO 1924
CYRINO PEREIRA DA SILVA 1924
FRANCISCO CORREA DE ARAUJO 1925
ELIZABETHE AGARBELLA 1925
LUIZ CAVERSAN 1925
JOANNA KALIL SARKIS 1925
ADOLFO PEREIRA DA FONSECA 1925
AMELIA BREDA 1925
EMMIDIO ANTONIO DE MORAES 1925
EUGENIO CESCON 1925
JULIA TREVISAN 1925
ADÃO LOPES 1925
DR WALDOMIRO DE ULHOA CINTRA 1925
JOAQUIM VIDAL BARBOSA 1925
VICTORIA BORETTI MAZZER 1925
EMISPERO RIBERTI 1925
PASCHOAL MARANGONI 1926
BENEDITO COLOSSO 1926
JACINTHO BARBANTI 1926
THEREZA BECHI BAIOCHI 1926
ANTONIO CRICO 1926
LUIZA ZANOVELLO 1926
SEBASTIÃO CUNHA 1926
LUIZ ZANIBONI 1926
LUIZ GOTTI 1926
ANNA BENTA SIQUEIRA 1927
AGNELO DELLA MURA 1927
FRANCISCO SERRA 1927
MOISES BOVO 1927
EMILIO PASSINI 1927
PEDRO PIARDI 1927
BONIFACIO MARCATTI 1927
VICTORIA ZAGO 1927
CARLOS BELLINI 1927
ANGELO FRUCHI 1927
APPOLONIA ANTONELLI 1927
IGNEZ DONATO PIVA 1927
SANTINA RAIMUNDO MARQUES 1927
MARIA MOYSES 1928
PHILOMENA BORETTI 1928
VERONICA BARRETA MIRANDA 1928
SEBASTIANA CAMARGO 1928
HENRIQUE ZACHI 1928
ANGELO ZILIOTO 1928
LUIZA SARTORI 1928
LUIZ ALTAFINI 1928
MARIA CONSORTI 1928
CAETANO FUINI 1928
MARIA FRAZÃO 1928
MARIA FECCI 1928
AMPELIO BRIANTI 1928
JOAO MENDES 1928
FRANCISCO CALIXTO 1928
MARIA PASSARELLA 1928
JOSE FRANCO 1929
JORGE IAMARINO 1929
EUFRASIA CASTELLI GOTTI 1929
PEDRO OLBI 1929
EMILIO SETTI 1929
SERAPHIM LISI 1929
LUIZA MARQUEZINI 1929
JOSE ZANOVELLO 1930
MARIA SCIEVE 1930
BORTOLO BORSOY 1930
ANGELO RAVETTA 1930
CARLOS MARTINS 1930
ANALIA MONEZZI 1930
JOSE LONGHI 1930
THEREZA ZANCHETTA 1930
ANTONIO MENOTTI 1930
JULIO MANDATTO 1930
FERRUCIO DINI 1930
JOÃO JACOB 1931
SERGIO BATTAGLIA 1931
ITALIA DEL-ESTE COLFERAI 1931
JOSE MANOEL PEREIRA DE QUELUZ 1931
AGNOR FRAY 1931
LUIZ FIORDOMO 1932
MARIA FCA RODRIGUES LEITÃO 1932
SANTINA ALTAFINI 1932
MARIA BROTA BROLEZI 1932
PAULINA FORMIGARI 1932
DR NORBERTO PEREIRA DA FONSECA 1932
ERNESTA SOLIANI 1932
FLORINDA CARETTI BIANCHI 1933
SANTIAGO FARACO GALEGO 1933
JULIO CEGA 1933
ANTONIO BISPO 1933
ANTONIO PRETTI 1933
JOANNA MAIATO 1933
EUGENIO PASCHOALIN 1933
SALVINA GATTI 1933
PAULO CARMONA 1933
CAROLINA FERREIRA ADORNO 1933
ANNA LUCA LONGHI 1934
LUDOVINO ANDRADE 1934
LUIZ STEVANATTO 1935
JOAO PANSA 1935
ANTONIO DEL CORSO 1935
ARRUDA GALDI ZILIOTO 1935
PEDRO MOMESSO 1935
PEDRO BRUSASCO 1935
MODESTO MISTRO 1935
QUITILIANO ARRUDA 1935
JOAO BARIZON 1935
ANTONIA SABADINI 1935
ANACLETO MAGALHÃES PEREIRA 1936
SABRINA MANIEZZO 1936
JOSE ROVARIS 1937
CAIO PEREIRA DA SILVA 1937
LUIZA BUTTI 1938


Nesse período, faleceram, 2.940 pessoas, registradas nos livros.O fato que mais chamou minha atenção foram os suicidios. Um número grande para a cidade daquele tempo. Dos 14 até aos 70 anos, infelizmente, eles escolheram abreviar suas vidas. Imagino os dramas pessoais que provavelmente, dariam um livro com suas histórias.


Aqui, descrevo para quem não conhece, doenças contagiosas que singraram no chão penhense:
Cólera é uma doença causada pelo vibrião colérico (Vibrio cholerae), uma bactéria em forma de vírgula ou bastonete que se multiplica rapidamente no intestino humano produzindo uma potente toxina que provoca diarréia intensa. Ela afeta apenas os seres humanos e a sua transmissão é diretamente dos dejetos fecais de doentes por ingestão oral, principalmente em água contaminada.

A malária ou paludismo é uma doença infecciosa aguda ou crônica causada por protozoários parasitas do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada do mosquito do gênero Anopheles fêmea. Mais tarde, caracterizam-se por acessos periódicos de calafrios e febre intensos que coincidem com a destruição maciça de hemácias e com a descarga de substâncias imunogénicas tóxicas na corrente sanguínea ao fim de cada ciclo reprodutivo do parasita. Estas crises paroxísticas, mais frequentes ao cair da tarde, iniciam-se com subida da temperatura até 39-40 °C. São seguidas de palidez da pele e tremores violentos durante cerca de 15 minutos a uma hora. Depois cessam os tremores e seguem-se duas a seis horas de febre a 41 °C, terminando em vermelhidão da pele e suores abundantes. O doente sente-se perfeitamente bem depois, até à crise seguinte, dois a três dias depois.

A febre Amarela é uma doença infecciosa transmitida por mosquitos contaminados por um flavivirus e ocorre na América Central, na América do Sul e na África. O período de incubação é de três a sete dias após a picada. Dissemina-se pelo sangue (virémia). Os sintomas iniciais são inespecíficos como febre, cansaço, mal-estar e dores de cabeça e musculares (principalmente no abdômen e na lombar). A febre amarela clássica caracteriza-se pela ocorrência de febre moderadamente elevada, náuseas, queda no ritmo cardíaco, prostração e vômito com sangue. A diarreia também surge por vezes. A maioria dos casos são assimptomáticos, manifestando-se com uma infecção é subclínica, mas pode se tornar grave e até fatal. Mais tarde e após a descida da febre, em 15% dos infectados, podem surgir sintomas mais graves, como novamente febre alta, diarreia de mau cheiro, convulsões e delírio, hemorragias internas e coagulação intravascular disseminada, com danos e enfartes em vários órgãos, que são potencialmente mortais. As hemorragias manifestam-se como sangramento do nariz e gengivas e equimoses (manchas azuis ou verdes de sangue coagulado na pele). Ocorre frequentemente também hepatite e por vezes choque mortal devido às hemorragias abundantes para cavidades internas do corpo. Há ainda hepatite grave com degeneração aguda do figado, provocando aumento da bilirrubina sanguínea e surgimento de icterícia (cor amarelada da pele, visível particularmente na conjunctiva, a parte branca dos olhos, e que é indicativa de problemas hepáticos). A cor amarelada que produz em casos avançados deu-lhe obviamente o nome. Podem ocorrer ainda hemorragias gastrointestinais que comumente se manifestam como evacuação de fezes negras (melena) e vómito negro de sangue digerido (hematêmese). A insuficiência renal com anúria (déficit da produção de urina) e a insuficiência hepática são complicações não raras.

A febre tifóide (AO 1990: tifoide) é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Salmonella typhi. Trata-se de uma forma de salmonelose restrita aos seres humanos e caracterizada por sintomas sistêmicos proeminentes, sendo endêmica em países subdesenvolvidos. A febre tifóide é uma doença distinta e não relacionada com o Tifo. A doença é exclusiva dos seres humanos. É sempre transmitida via orofecal, ou seja, pela contaminação, por fezes, de alimentos ou objetos levados à boca. Muitos casos são devidos à preparação não higiênica da comida, em que um indivíduo portador (com a bactéria no intestino, porém saudável e sem sintomas por períodos prolongados) suja os dedos com os seus próprios detritos fecais e não lava as mãos antes de manusear os alimentos. Cerca de 5% dos doentes não tratados com antibiótico tornam-se portadores após resolução da doença.

O tifo epidémico (português europeu) ou tifo epidêmico (português brasileiro), coloquialmente referido simplesmente como Tifo, é uma doença epidémica transmitida por piolhos, parasitas comuns no corpo humano, e causado pela bactéria Rickettsia prowazekii. É transmitido pelo piolho humano do corpo Pediculus humanus corporis, (mais raramente pelo piolho dos cabelos), que os excretam nas suas fezes, invadindo o ser humano através de pequenas feridas invisíveis. A incubação é de 10 a 14 dias, enquanto as bactérias se reproduzem no interior de células endoteliais que revestem os vasos sanguíneos, libertando a descendência para o sangue de forma continua, com inflamação dos vasos (causa do eritema). A febre alta surge após essas duas semanas, seguida do exantema (eritema) em manchas após mais quatro a sete dias. A mortalidade é de 20% se não tratado convenientemente, mas em algumas epidemias em desnutridos pode chegar a 66%.


Ancilostomíase: Amarelão - A ancilostomose é uma helmintíase que pode ser causada tanto pelo Ancylostoma duodenale como pelo Necatur americanus. Ambos são vermes nematelmintes (asquelmintes), de pequenas dimensões, medindo entre 1 e 1,5 cm. A doença pode também ser conhecida popularmente como "amarelão", "doença do jeca-tatu", "mal-da-terra", "anemia-dos-mineiros, "opilação", etc.
As pessoas portadoras desta verminose são pálidas, com a pele amarelada, pois os vermes vivem no intestino delgado e, com suas placas cortantes ou dentes, rasgam as paredes intestinais, sugam o sangue e provocam hemorragias e anemia.
A pessoa se contagia ao manter contato com o solo contaminado por dejetos. As larvas filarióides penetram ativamente através da pele (quando ingeridas, podem penetrar através da mucosa). As larvas têm origem nos ovos eliminados pelo homem.
MAL DE BRIGHT -A nefrite corresponde a glomerulonefrite aguda. É uma doença renal aguda que atinge de preferência o jovem e que provoca perda de sangue e de proteínas pela urina, pressão alta e inchaço na face. Está relaciona à infecção por uma bactéria denominada estreptococo. É rara na 3ª Idade. É uma doença que pode evoluir para a Insuficiência Renal. O diagnóstico é feito pela biopsia do rim.
Marasmo
Marasmo é a desnutrição proteico-calórica do tipo seco, ou seja, é uma desnutrição por falta de calorias e proteínas em um paciente muito magro e desidratado. Esta condição é resultado da fome por escassez de alimentos. Em seu tratamento deve-se prover uma dieta com proteínas de alto valor biológico e calorias adequadas para que aproveite o nitrogênio presente na proteína. O marasmo ocorre quando a pessoa não se alimenta, durante muito tempo, em quantidade suficiente de nenhum tipo de nutriente necessário ao perfeito funcionamento do corpo humano. A falta de alimentos ricos em carboidratos, proteínas, lipídios, sais minerais e vitaminas provoca vários malefícios à saúde. A pessoa não cresce, fica muito magra, com freqüência adquire outras doenças, fica com a pele ressecada e descamante, tem os músculos reduzidos e está sempre com fome. A doença tem esse nome devido ao fato de o doente não possuir disposição para realizar suas atividades.
colapso
s.m. Medicina Diminuição súbita e geral da energia do sistema nervoso e de todas as funções que dele dependem.
Estado de prostração e depressão extremas.
Medicina Achatamento anormal das paredes de uma parte ou órgão.
Medicina Colapso cardíaco, debilidade repentina das contrações cardíacas; adinamia cardíaca.

Apoplexia
Apoplexia é uma afecção cerebral que surge inesperadamente, acompanhada da privação do uso dos sentidos e/ou da suspensão dos movimentos; em outras palavras, serve como designação genérica para afecções produzidas pela formação rápida de um derrame sanguíneo ou acidente oclusivo no interior de um órgão. Os sintomas e sinais podem variar desde uma simples cefaleia até um quadro mais grave, podendo levar à morte. A designação apoplexia está atualmente em desuso, sendo substituída, mais corretamente, pela designação "acidente vascular cerebral". O acidente vascular cerebral pode, por sua vez, ser hemorrágico ou isquêmico. Hemorrágico quando há uma ruptura de um vaso cerebral com extravasamento de sangue. Isquêmico quando há obstrução total ou parcial de uma artéria cerebral por placas ou trombos.


Caquexia
Caquexia ( / k ə ɛ k k i s ə / , a partir de grego kakos κακός "ruim" e ἕξις hexis "condição") [1] ou desperdiçar síndrome é a perda de peso , atrofia muscular , fadiga, fraqueza, e significativa perda de apetite em alguém que não está ativamente tentando perder peso. A definição formal de caquexia é a perda de massa corporal que não pode ser revertida nutricionalmente: Mesmo que o paciente afetado come mais calorias, massa corporal magra serão perdidos, indicando que há uma patologia fundamentais em vigor [. carece de fontes? ] Caquexia é visto em pacientes com câncer , AIDS , [2] doença pulmonar obstrutiva crônica , insuficiência cardíaca congestiva , tuberculose , Polineuropatia Amiloidótica Familiar , envenenamento por mercúrio ( acrodinia ) e deficiência hormonal. É um fator de risco positivo para a morte, o que significa que se o paciente tem a caquexia, a chance de morte por doença subjacente é aumentada dramaticamente. Pode ser um sinal de várias doenças subjacentes, quando um paciente apresenta caquexia, o médico geralmente consideram a possibilidade de câncer , acidose metabólica (de diminuição da síntese de proteínas e aumento da proteína catabolismo ), certas doenças infecciosas (por exemplo, tuberculose , AIDS ) , pancreatite crônica, e algumas doenças auto-imunes , ou vício em anfetaminas . Caquexia fisicamente enfraquece os pacientes a um estado de imobilidade decorrentes da perda de apetite, astenia e anemia , ea resposta ao tratamento padrão é geralmente pobre. [3] [4]


Morféia

Esclerodermia vem em duas formas principais: sistêmica e localizada. Esclerodermia é uma doença de origem desconhecida que afeta os tecidos microvasculatura e frouxo do corpo e é caracterizada por fibrose e obliteração dos vasos sanguíneos da pele, pulmões, intestino, rins e coração. Morféia é uma forma localizada de esclerodermia e afeta principalmente a pele apenas. As lesões são geralmente limitadas e mais comumente apenas uma lesão foi encontrada. No entanto morféia pode ocorrer de forma generalizada, bem como gutata, nodular, subcutânea e formas lineares. Morféia é relativamente incomum e mulheres são afetados cerca de três vezes mais frequentemente que homens. Também é mais comum em negros ea maioria dos pacientes estão entre as idades de 20 e 50 anos de idade no momento do diagnóstico. Morféia linear é geralmente visto mais cedo com a maioria dos pacientes em menos de 20 anos de idade. Morféia linear também pode afetar não apenas a pele, mas as estruturas subjacentes, como músculos e ossos. Anticorpos antinucleares, os níveis elevados de imunoglobulinas e fator reumatóide foram conhecer a ser elevados em todas as formas de esclerodermia localizada, mas a incidência geral é desconhecida. Apesar disto, o prognóstico geralmente é bom; a doença muitas vezes torna-se inativo em 3 a 5 anos. Atrofia e hiperpigmentação residual / descoloração da pele afetada com freqüência permanece. Deficiência de danos da estrutura subjacente, como atrofia muscular pode ocorrer, mas é muito raro.



Lepra
A lepra (hanseníase, morfeia, mal de Hansen, mal de Lázaro), é uma doença infecciosa causada pelo bacilo Mycobacterium leprae que afeta os nervos e a pele e que provoca danos severos. O nome hanseníase é devido ao descobridor do microrganismo causador da doença Gerhard Hansen. É chamada de "a doença mais antiga do mundo", afetando a humanidade há pelo menos 4000 anos[1] e sendo os primeiros registros escritos conhecidos encontrados no Egito, datando de 1350 a.C..[2] Ela é endêmica (específica de uma região) em certos países tropicais, em particular na Ásia. O Brasil inclui-se entre os países de alta endemicidade de lepra no mundo. Isto significa que apresenta um coeficiente de prevalência médio superior a um caso por mil habitantes (MS, 1989).[3] Os doentes são chamados leprosos, apesar de que este termo tenda a desaparecer com a diminuição do número de casos e dada a conotação pejorativa a ele associada.[carece


FONTES:
Os jornais da Cidade de Itapira - colunas do joão do Norte e os sites: HTTP://www.scielo.br;http://www.bam-international.com; http://www.sobiologia.com.br;;http://www.dicio.com.br; http://pt.wikipedia.org


CULTURAL
O grupo musical brasileiro de Rock, TITÂS, fez uma música bem humorada em 1988 no álbum "Õ Blésq Blom", que fala sobre diversas doenças e como o corpo resiste a elas “ o pulso ainda pulsa...”
O Pulso
Titãs
O pulso ainda pulsa
O pulso ainda pulsa...
Peste bubônica
Câncer, pneumonia
Raiva, rubéola
Tuberculose e anemia
Rancor, cisticircose
Caxumba, difteria
Encefalite, faringite
Gripe e leucemia...
E o pulso ainda pulsa
E o pulso ainda pulsa
Hepatite, escarlatina
Estupidez, paralisia
Toxoplasmose, sarampo
Esquizofrenia
Úlcera, trombose
Coqueluche, hipocondria
Sífilis, ciúmes
Asma, cleptomania...
E o corpo ainda é pouco
E o corpo ainda é pouco
Assim...
Reumatismo, raquitismo
Cistite, disritmia
Hérnia, pediculose
Tétano, hipocrisia
Brucelose, febre tifóide
Arteriosclerose, miopia
Catapora, culpa, cárie
Câimba, lepra, afasia...
O pulso ainda pulsa
E o corpo ainda é pouco
Ainda pulsa
Ainda é pouco
Pulso
Pulso
Pulso
Pulso
Assim...



Fonte http://letras.terra.com.br/titas/48989/

Nenhum comentário:

Postar um comentário